Saiba como escolher o veículo certo para as operações logísticas

outubro 11 2017

Ao se referir às operações logísticas, é imprescindível considerar o Transporte Rodoviário Brasileiro de Cargas como ponto chave desse setor. Muitas pessoas ainda não têm ideia de como essa área é importante e estratégica para as empresas.

É por meio dela que determinada carga chega até o seu destino final dentro do prazo e de acordo com a necessidade do consumidor. Por isso, escolher veículo certo para logística é fundamental para que a cadeia de suprimentos seja encerrada com sucesso.

Dessa forma, compreender os tipos de traslado pode fazer toda a diferença na hora de transportar mercadorias. Uma carga de 2 toneladas, por exemplo, exige um tipo de veículo para o seu transporte — carregamentos que ultrapassam 10 toneladas, por sua vez, requerem outra modalidade.

Assim, é importante que as companhias saibam quais meios escolher para aumentar seus lucros e evitar desperdícios de capacidade ou sobrecarga dos veículos. Por isso, este artigo visa esclarecer e demonstrar qual é o veículo certo para cada atividade logística. Continue lendo e confira!

Operações logísticas de transporte de cargas das regiões metropolitanas

Optar pelo veículo adequado é a melhor maneira de obedecer aos limites legais, além de proporcionar outras vantagens diretas para as empresas, que escolherão o segmento certo para suas atividades.

Conforme o Conselho Nacional de Trânsito (Contran), veículos com capacidade para cargas leves são os mais indicados para o transporte metropolitano, por motivos de segurança e infraestrutura das estradas.

Afinal, esses locais têm uma estrutura bastante danificada, fazendo com que os meios de transporte mais pesados tenham um maior custo com manutenção e troca de pneus. É essencial ficar atento aos modelos de caminhões e às cargas máximas que devem ser utilizados nas regiões urbanas.

Vejamos, então, alguns veículos utilizados nesses casos:

1. Fiorino

O fiorino é classificado como um veículo comercial e tem o potencial para transportar até 650 kg. Apesar de ser um carro utilitário tradicional, ele apresenta como principais características a robustez e a versatilidade — ele é ideal para o transporte de cargas leves e urbanas. Veja agora os prós e contras dessa modalidade:

Vantagens

  • bom espaço interno;
  • baixa manutenção;
  • econômico;
  • boa visibilidade.

Desvantagens

  • pouca estabilidade;
  • suspensão fraca;
  • pouco conforto para o motorista.

2. Utilitários

Esses são meios de transporte indicados para cargas leves e pequenos fretes — sua atuação se concentra nas regiões metropolitanas. Nesse sentido, alguns setores empresariais se beneficiam melhor desses veículos, como os de entregas entre e-commerce e shoppings.

Nessa categoria inserem-se os furgões, as vans — que têm dois eixos e têm capacidade para transportar até 1.200 kg — e outros automóveis comerciais leves. São uma ótima opção tanto para o transporte de materiais quanto de pessoas.

Vantagens

  • ótimo tamanho para transportar nas grandes cidades;
  • opção de transporte de equipes e materiais;
  • espaçoso e potente.

Desvantagens

  • possui muitos pontos cegos;
  • difícil de estacionar devido ao seu tamanho.

3. Veículo Urbano de Carga (VUC)

VUC é um tipo de veículo que tem menor porte e é adaptado para transportar cargas em grandes cidades. Sua capacidade pode chegar a até 4 toneladas e o seu tamanho varia entre 2,20 metros de largura e 6,30 metros de comprimento máximo. Uma outra característica importante é a sua capacidade para tracionar ou arrastar outro veículo, desde que sua capacidade de tração seja compatível.

Várias empresas optam por esse modelo, visto que ele permite acesso rápido nas regiões metropolitanas para realizar entregas. As carrocerias mais usadas são o baú, o refrigerado e o frigorífico.

No entanto, vale ressaltar que em cada município há uma legislação própria para regular essa modalidade. É preciso, então, analisar se o destino de determinada carga tem alguma regulamentação em relação ao VUC.

Vantagens

  • maior capacidade de carga;
  • resistente;
  • baixo impacto no peso bruto total do veículo, o que diminui o consumo de combustível.

4. Veículo 3/4

Essa opção tem um limite máximo de cargas de 4 toneladas, além de ter 2 eixos. No entanto, o peso suportado dependerá da distância existente entre os eixos e tamanho da carroceria. Além do mais, esse modelo também é comercializado com 3 eixos para ter a capacidade de carga aumentada.

São caminhões leves e de fácil locomoção, utilizados principalmente para o transporte cargas urbanas. Veja algumas vantagens dessa modalidade:

  • oferece opção de báscula para transportar cargas a granel;
  • ideal para pequenas viagens com maior capacidade para transportar produtos;
  • capacidade de carga até 2 vezes mais se comparado ao VUC.

5. Caminhão toco

Esse meio de transporte tem dois eixos e uma capacidade máxima de carga de 6.000 kg, com PTB de 16 t. De modo geral, ele é bastante usado para transportar mercadorias de distribuição ou cargas secas — como óleo, açúcar, feijão, entre outros. As carrocerias compatíveis com o toco são o baú e o grade baixa.

De maneira geral, o caminhão toco tem uma carroceria bem menor que um caminhão truck e consequentemente suporta um peso bem menor — o que faz com ele necessite de um eixo apenas.

6. Truck

O caminhão truck é utilizado em várias operações logísticas. Ele tem três eixos, capacidade máxima de 14.000Kg com PBT de 23T e oferece diversas possibilidades de carroceria — as mais comuns são grade caixasiderbaú e graneleira. Ele é indicado para o transporte de cargas leves como açúcar, cimento e soja.

Sua principal vantagem consiste na utilização de apenas 4 pneus, o que diminui o seu custo. Se comparado ao truck, sua desvantagem está na sua capacidade de carga ser menor e sua estabilidade também.

7. Bitruck

Com quatro eixos, esse veículo é capaz de transportar até 22.000 Kg com PTB de 29t. Ele é bastante utilizado para transportar carga seca e pode ter outras funcionalidades nas operações logísticas.

Os caminhões bitruck também são comumente usados como graneleiros (grade alta), caminhão-tanque ou equipados com caçamba basculante para o transporte de materiais pesados a granel.

Apesar de ser maior que as categorias anteriormente citadas, ele tem facilidade em realizar manobras e curvas em locais estreitos, arrasto de pneus reduzido e capacidade de carga maior.

8. Caminhão Romeu e Julieta

O conhecido Romeu e Julieta é um caminhão toco ou trucado engatado com um reboque — Romeu — e com um semirreboque — Julieta. Ele é muito utilizado pela indústria canavieira para a movimentação de cana-de-açúcar.

A principal vantagem desse modelo é sua grande capacidade volumétrica, embora o peso não possa ser superior a 43 toneladas de PBTC, permitindo um único semirreboque. Ele tem um cumprimento total de 19,8 metros.

Além disso, sua mobilidade e usabilidade permitem que o Romeu possa ser conectado a mais Julietas do que somente uma, podendo realizar outra viagem enquanto a Julieta carrega ou descarrega a carga.

Os veículos de transporte rodoviário de carga são classificados de acordo com a quantidade de eixos, o tamanho e o peso. Porém, vale ressaltar que, independentemente do tipo, todos os veículos prestadores de serviços com remuneração devem ser registrados no RNTRC.

Operações logísticas de transporte de cargas nas rodovias

Nas rodovias são utilizados muitos veículos de carga pesada — como as carretas, que têm uma estrutura dividida em força motriz (motor), rodas de tração e a cabine do condutor. Sua outra parte recebe a carga, podendo ser acoplada em diferentes espécies de módulos de carga, como o semirreboque.

Os semirreboques são módulos que necessitam de um cavalo mecânico para sustentação. O reboque, por outro lado, é um módulo independente e pode simplesmente ser engatado em outro módulo ou diretamente na carreta.

Vejamos, agora, alguns modelos de transporte para rodovias:

1. Cavalo mecânico simples

Esse tipo de veículo também é bastante conhecido como carreta simples. Ele tem dois eixos e acopla um semirreboque para transitar com variadas cargas. Assim, as mercadorias que são transportadas podem variar conforme o tipo de carroceria que está inserido no cavalo mecânico.

A carreta presente no cavalo mecânico de dois eixos suporta, de modo geral, até 28 toneladas conforme o implemento acoplado. Os tipos mais comuns inseridos nele são baúgraneleiragrade baixaporta container e refrigerado.

2. Cavalo mecânico com três eixos

Além desse nome, ele é conhecido como cavalo mecânico trucado. Ele tem uma diferenciação em relação aos eixos: há um dianteiro e dois traseiros, o que proporciona uma capacidade de carga de 32.000 kg com PTB 41,5t e ainda mantém a pressão reduzida quando as rodas estão no chão.

Por conta disso, o cavalo mecânico de três eixos é utilizado para vários modelos de carroceria e viaja por todo o Brasil transportando diversas mercadorias do mercado.

3. Cavalo mecânico traçado

O cavalo mecânico traçado também é conhecido como caminhão do tipo 6×4 por ter três eixos, sendo que os dois que ficam na parte traseira têm tração.

4. Cavalo mecânico 8×2

Uma aposta feita no mundo automotivo é o cavalo mecânico 8×2. O modelo se encaixa como uma opção para o transporte de cagas de longas distâncias e fica posicionando entre o bitrem e a composição conhecida como Vanderleia.

Ele vem equipado com um segundo eixo direcional, sendo indicado para transportar semirreboques de 3 eixos. O veículo é capaz de transportar 54,5 toneladas de PBTC e, no tocante à carga líquida, seu conjunto leva até 37 toneladas — a mesma carga do bitrem.

O cavalo mecânico 8×2 tem muitas vantagens em relação a outras composições, pois o conjunto com semirreboque de três eixos apresenta uma performance melhor no transporte de cargas. Além do mais, o modelo apresenta um benefício a mais que o bitrem, que é a economia entre 6 a 8% no consumo de diesel.

5. Cavalo mecânico 8×4

Este veículo possui uma capacidade de transportar até 50 toneladas brutas, fazendo com que ele seja uma opção vantajosa em relação aos modelos 6×4.

6. Vanderleia

Semelhante à carreta, a Vanderleia tem três eixos no cavalo mecânico e maior espaçamento entre os três eixos do semirreboque. Comporta até 36 toneladas.

7. Bitrem

Esse modelo é uma combinação de veículos de carga que tem um total de 7 eixos, permitindo que o transporte de mercadorias atinja um peso bruto de 57 toneladas. Os semirreboques dessa combinação podem ser tracionados por um cavalo mecânico trucado.

8. Rodotrem

Ele é formado por 2 semirreboques interligados por um intermediário conhecido como Dolly. Eles são tracionados por meio de um cavalo mecânico trucado e têm três articulações. O veículo aceita um peso máximo de 74 toneladas e necessita de autorização especial de trânsito.

9. Super rodotrem de 11 eixos

O Contran autorizou uma nova combinação de veículos de carga: o super rodotrem, com 11 eixos e PBTC de 91 toneladas. Porém, a resolução ainda está em processo de homologação e não foi aprovada.

Bom, como vimos, são várias possibilidades e modelos existentes para transportar cargas no Brasil. É preciso, assim, considerar com cuidado o tipo ideal para cada empresa no momento de escolher veículo certo para logística. Vale considerar também o tipo de mercadoria a ser transportada, o prazo de entrega e localização do cliente.

A Itatibense — especializada em soluções de logística, transportes e armazéns gerais, tanto para os setores industriais como para carga geral — pode ajudá-lo a encontrar o veículo certo para logística e para atender às necessidades de seu negócio.

E então, gostou do nosso artigo sobre como escolher veículo certo para as operações logísticas? Aproveite para assinar a newsletter da Itatibense e receba nossos próximos conteúdos diretamente na sua caixa de entrada!

Write a Reply or Comment